Gerenciar os gastos da empresa é uma ação fundamental para garantir o seu bom funcionamento, seja qual for o tamanho.

Apesar de muitos empreendedores estarem focados nas performances de receita, é preciso saber que os resultados só podem ser mensurados diante dos gastos realizados.

Por isso, entender que a otimização desses gastos é a fórmula ideal para a maximização dos lucros da empresa.

Então, é por meio da eficiência alcançada na gestão financeira e administrativa que a sua organização vai alcançar os resultados projetados.

Para alcançar esse sucesso, preparamos este conteúdo para que você saiba identificar, da forma mais correta, os gastos e a classificação deles para administrar bem a sua empresa.

Classificação dos gastos da empresa

Todo gasto deve ser entendido como uma saída de recurso financeiro, que pode ser classificado como custos, gastos não operacionais, despesas e os próprios investimentos.

Assim, quando olhamos apenas as nomenclaturas, parece que tudo é a mesma coisa, mas entender as diferenças entre eles é crucial para o bom funcionamento da sua empresa.

Custos

Em linhas gerais, os custos são todos os valores que a empresa precisa despender do seu caixa para não só produzir, como comercializar o seu produto ou serviço.

Portanto, gerar custos é essencial para que a empresa possa entregar os resultados prometidos ao seu cliente.

Então, o custo é entendido como um capital que deve ser acrescentado aos diversos setores da empresa e são indispensáveis para o seu funcionamento.

Na prática, os custos podem ser entendidos como: mão de obra contratada, aquisição de matéria-prima, manutenção e conservação, depreciação do maquinário, entre outros.

Com todos esses dados em mãos, os gestores precisam ainda classificá-los entre os custos de produção e de processos da empresa.

Sabe como? Quando a empresa adquire matéria-prima, isso é um gasto, mas quando é utilizada para a produção, passa a ser contabilizada como um custo de produção.

Gastos não operacionais

Os gastos que são não operacionais são aqueles que não estavam inicialmente previstos no orçamento, mas que precisam ser assumidos para a continuação das atividades.

Por exemplo, quando é preciso fazer a substituição de uma máquina, por alguma quebra ou defeito, que irá causar a paralisação parcial ou total das atividades.

Mas, é preciso estar atento, pois os gastos que não estão previstos devem ser considerados quando são essenciais, senão devem ser pensados para o próximo orçamento.

Despesas

As despesas são aqueles valores utilizados para manter o funcionamento da empresa, que não estão diretamente ligados à produção.

Esses gastos classificados como despesas influenciam diretamente na receita, justamente porque são relacionados à administração e ao funcionamento da empresa.

Alguns exemplos de despesa são: gastos no setor administrativo, nos recursos humanos, ações de marketing, gastos com telefone, aluguel, entre outros.

Essa classificação de gastos também deve ser distribuída entre as despesas fixas, que são aquelas previstas no orçamento.

Já as variáveis, são aquelas ligadas à produção ou os serviços prestados, que variam a cada mês.

Investimentos

Todo investimento está diretamente ligado à previsão de retorno futuro, principalmente relacionado ao aumento dos ganhos.

Então, os investimentos são valores que se destinam a realizar melhorias, sejam nos processos, na imagem da empresa ou até mesmo que visam obter lucros futuros.

Por exemplo, aquisição de maquinário para aumentar a produtividade, cursos de capacitação, campanhas de marketing para aquisição de novos clientes.

Portanto, é importante entender que mesmo que esse investimento seja alto no momento presente, ele representará em ganhos crescentes.

Quanto é importante identificar os gastos?

Identificar e também classificar todos os gastos da empresa é essencial para que o gestor possa fazer uma análise dos custos de forma completa.

Assim, essa será uma importante ferramenta para garantir uma tomada de decisão mais assertiva, trazendo mais precisão na alocação de recursos.

Com esse conhecimento amplo, é possível fazer ajustes, cortes e reduções de gastos para otimizar setores dentro da empresa.

Então, para evitar as dificuldades financeiras, é preciso ter um rigoroso controle de gastos, que permita a análise contábil dos resultados da empresa.

E lembre-se, a rigidez do controle está na verificação diária de todos os gastos, na classificação e na análise desse conjunto de dados.

Como controlar os gastos da empresa?

Para que a gestão da empresa seja eficiente, é importante ter controle e visibilidade dos gastos da empresa. Por isso, confira algumas dicas:

Controle de gastos no cartão corporativo

Essa é uma ferramenta essencial para garantir que todos os gastos possam ser monitorados em tempo real.

Por exemplo, na empresa Conta Simples existe um painel para sua empresa que mostra todo o fluxo de caixa.

Essa possibilidade oferece recursos que podem otimizar o tempo do gestor, além de permitir um maior controle dos valores gastos e de como eles foram realizados.

Então, o monitoramento de todos os cartões, físicos e virtuais, da empresa e a utilização dos saldos é uma forma de entender onde podem ser cortados gastos.

Para isso, a melhor opção é abrir uma conta PJ, que permite esse suporte avançado e digital, para otimizar os processos e reduzir a burocracia.

Invista em gestão financeira e contábil

Uma gestão financeira e contábil, em resumo, é o controle eficiente dos gastos da empresa.

A escrituração contábil dos balanços e balancetes da empresa também são uma forma de amparo legal sobre as atividades da empresa.

Por isso, é imprescindível que os gestores tenham máxima atenção nesse processo e analisem criteriosamente as movimentações financeiras da empresa.

Elimine as dívidas

O aumento excessivo de gastos pode superar as receitas da empresa e, com isso, levar a geração de dívidas.

Por isso, é necessário analisar com cuidado todas as fontes de gastos em relação às receitas e identificar possibilidades de cortes e reduções.

Isso gera a possibilidade de regularizar o fluxo de caixa e eliminar todas as dívidas que possam ter sido contraídas.

Separe das empresas pessoais e empresariais

Um erro muito comum, principalmente para as pequenas empresas, é não separar os gastos de pessoa física e pessoa jurídica.

Com isso, facilmente é possível perder o controle tanto dos gastos quanto das receitas da empresa no período.

No início, esse processo pode ser mais difícil, principalmente para as pequenas empresas. No entanto, para não causar prejuízos futuros e manter a saúde da empresa, é fundamental fazer essa diferenciação.

Conheça a Conta Simples: uma plataforma de gestão financeira empresarial

Esse é um conteúdo escrito em parceria com a Conta Simples.

A Conta Simples é uma conta digital que oferece aos clientes PJ os serviços necessários para a otimização da gestão financeira da sua empresa.

Quer ter o controle e a visibilidade total dos gastos da sua empresa? A Conta Simples faz.

Além de permitir que você gerencie múltiplos cartões físicos e virtuais, pagamentos de contas e perfis de acesso unificados.