fbpx

O déficit na bandeira tarifária será cobrado nas contas de luz dos brasileiros em 2021. O rombo de R$ 3 bilhões aconteceu porque em 2020, devido à pandemia do novo coronavírus, o sistema de bandeiras tarifárias ficou suspenso no país.

Mas vamos entender por partes o que significa esse aumento e o porquê a conta de luz pode ficar mais cara. Primeiro, você precisa entender o que é o sistema de bandeiras tarifárias.

Falamos algumas vezes sobre esse assunto aqui no Blog, mas vamos relembrar para que você não se perca.

Sistemas de bandeiras tarifárias

No Brasil, desde 2015, existe um sistema de bandeiras tarifárias. São três modalidades de cobrança da conta de luz no país: verde, amarela e vermelha. Cada uma delas indica se vai haver ou não algum aumento na conta de luz da sua casa ou empresa.

O sistema é uma sinalização para que o consumidor saiba todo mês as condições e os custos de geração de energia do país.

Quando a produção de energia está favorável, a conta fica mais barata. Nesse caso, aciona-se a bandeira verde.  A bandeira amarela aparece quando a produção está em sinal de alerta. Já quando as condições estão ruins, a vermelha é acionada. Essa última tarifa tem ainda dois patamares de cobrança, um caro (vermelha 1) e outro mais caro (vermelha 2).

Cobrança extra

Quando a bandeira tarifária está verde, não há nenhuma cobrança extra de energia. Mas quando está amarela ou vermelha, há um valor extra a ser cobrado.

Os valores de cada bandeira são atualizados todos os anos e levam em consideração parâmetros estipulados pela própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Atualmente, as tarifas têm os seguintes valores:

  • Verde: sem cobrança
  • Amarela: R$ 1,34 por 100 kWh.
  • Vermelha patamar 1: R$ 4,16 por 100 kWh
  • Vermelha patamar 2: R$ 6,24 por 100 kWh

Essa cobrança extra ficou suspensa de maio a novembro e só voltou em dezembro. E, por isso, o consumidor brasileiro não pagou pelo uso mais intenso da geração de energia no país, o que gerou o déficit de R$ 3 bilhões.

Déficit de R$ 3 bilhões será repassado para o consumidor

Em entrevista ao portal G1 no dia 18 de fevereiro, o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, disse que o custo que seria coberto pelas bandeiras tarifárias foi de R$4,45 bilhões. Apesar disso, foram arrecadados somente R$ 1,33 bilhão.

Essa diferença vai ser paga no reajuste de 2021 das tarifas de energia das distribuidoras, deixando a conta de luz mais cara. Os reajustes das tarifas de energia ainda vão acontecer por parte das distribuidoras.

Esses reajustes acontecem todos os anos, quando as distribuidoras atualizam o valor da energia a ser pago. Adiantamos esse assunto aqui, quando falamos sobre os reajustes de 2020 (para ler mais, clique aqui).

As medidas tomadas para aliviar os impactos da pandemia, como a suspensão do corte de fornecimento de energia por inadimplência e a suspensão do sistema de bandeiras tarifárias, deram um fôlego financeiro para muitas empresas e famílias, mas trazem aumentos a longo prazo.

Outras medidas

É fato que a conta de luz vai ficar mais cara para todos os brasileiros em 2021. Com tarifas maiores, o consumidor vai sentir no bolso os efeitos das medidas emergenciais de alívio da pandemia.

Entretanto, o Senado Federal aprovou uma medida provisória que trata de mudanças no setor elétrico brasileiro (MP 998) e aguarda a sanção pela Presidência da República.

A MP 998 surgiu para amenizar alguns dos impactos da pandemia da Covid-19 nas tarifas de energia e remanejar alguns recursos do setor elétrico para permitir que as tarifas de energia fiquem menores. Os assuntos são variados e cada um deles traz impactos específicos para o setor.

Para você entender mais sobre o assunto, sugerimos a leitura deste texto:

Entenda a MP 998 que trata da redução de tarifas de energia elétrica

Mas… economizar é a única alternativa?

Sim. Não tem jeito. A conta de luz da sua empresa e da sua casa já são altas o suficiente o ano todo e economizar é a melhor saída em qualquer bandeira tarifária.

Contudo, não precisa ser uma tarefa impossível. O primeiro passo é analisar melhor a sua conta de luz. Se você é uma empresa, as possibilidades são ainda maiores. E não envolve mudar o consumo. Pelo contrário, um olhar mais detalhado para a conta de luz permite excelentes reduções.

Muitas empresas estão com a conta de luz sendo calculadas em uma tarifa que não é a mais adequada. E, por conta disso, pagam mais do que deveriam.

Desde 2018, existe no Brasil a tarifa branca. Essa tarifa, criada para incentivar um menor consumo em horários de pico, cobra preços diferentes dependendo do dia e do horário da semana.

Se a sua empresa funciona em horário comercial, provavelmente a tarifa branca traz economia. Em alguns casos, pode chegar a 30% de redução na conta de luz.

Aqui na Clarke, somos especialistas em ajustes de tarifa de energia. Empresários da cidade de São Paulo e dos estados da Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte podem fazer o teste no aplicativo disponível na App Store e na Google Play. Para outros estados, é possível fazer o teste e a contratação pela web.

Um ponto importante a lembrar é que empresas maiores têm contas mais complexas, com cobranças de demanda contratada e energia reativa. Na Clarke, também conseguimos ajudar a sua empresa a economizar nesse caso. Por isso, entre em contato com a gente. Ficaremos felizes em ajudar!